Topo
Rodrigo Ratier

Rodrigo Ratier

Categorias

Histórico

Augusto Nunes não merece participar do debate público

ECOA

07/11/2019 16h27

A agressão de Augusto Nunes ao jornalista Gleen Greenwald é o ponto mais baixo a que chegou o jornalismo depois de um longo processo de degradação.

Trata-se de um caso sem muito espaço para teorização: partir para a violência física é simplesmente errado. Causa tristeza notar que, nem nesse momento, a opinião pública reage em uníssono. Há nas redes um movimento – minoritário, mas barulhento – de gente comemorando a agressão e sugerindo que Glenn "volte para onde veio". A civilização, infelizmente, não é mais um consenso.

É possível ser crítico sem ser agressivo. O jornalismo que ambiciona informar e formar opinião precisa ser, também, sereno. Por razões variadas, que vão do desespero por cliques à militância que tenta se disfarçar de veículo de comunicação, não foi essa a rota preferencial de parte da imprensa.

A opinião invadiu o espaço informativo – quase sempre, sem que isso estivesse claramente demarcado. A expressão se tornou mais e mais virulenta, cheia de adjetivos, palavras de ordem, caricaturas demonizadoras, mentiras.

E agora, uma agressão.

A conta dessa ladeira abaixo já está sendo cobrada: as pessoas já não distinguem o jornalismo sério do polemista de ocasião, o relato plural do panfleto ideológico, a busca pela verdade da mamadeira de piroca.

Culpa-se a audiência mal-informada, mas como responsabilizar o receptor quando quem produz a mensagem classifica um virulento ataque pessoal de comentário "bem-humorado", como fez Nunes? O jornalismo enquanto busca pelo retrato mais preciso da realidade impõe que se reconheça: Nunes acusou Greenwald sem base; exposto, mentiu quanto à natureza de sua fala; confrontado incisivamente, quis calar à força seu acusador.

Estamos numa situação que lembra os contextos de guerra: entre grupos inimigos, a primeira coisa que se rompe é a comunicação. Passam, então, a circular narrativas demonizadoras sobre o lado oposto em cada trincheira. Esse é justamente o ponto mais difícil de se reconstruir quando vem a paz: desarmar os dois lados é possível, mas como desarmar os espíritos?

O jornalismo pode ser um instrumento para o diálogo – e fará um grande serviço à reconstrução social se encarar esse desafio. Há, porém, dois pontos de que não se pode abrir mão: é preciso reconhecer a humanidade do outro; e é preciso lembrar que o debate tem regras. Quem vê a arena pública como um ringue de luta livre, real ou simbólico, e enxerga o adversário como opositor a ser eliminado não merece participar da conversa.

É preciso reagir à truculência e zelar, com muito cuidado, pelo conteúdo e pela forma da discussão. Ou a cada fundo do poço cavaremos um pouco mais em direção à barbárie total.

Sobre o Autor

Jornalista e professor universitário na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo. É também autor do blog Em Desconstrução (emdesconstrucao.blogosfera.uol.com.br), de Universa, coordenador do blog coletivo Entendendo Bolsonaro (entendendobolsonaro.blogosfera.uol.com.br), e fundador e gestor do curso online contra fake news Vaza, Falsiane (www.vazafalsiane.com)

Sobre o Blog

Um espaço com visões, provocações e esperanças sobre a mais nobre das atividades humanas: educar.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{user.alternativeText}}
Avaliar:

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Rodrigo Ratier