PUBLICIDADE
Topo

Esquerda e direita liberal não enxergam a tragédia na educação

ECOA

13/01/2020 04h00

Oposição ao Escola sem Partido, críticas à Base Nacional Comum Curricular, obras contra o novo projeto de financiamento das universidades públicas e a influência da institutos e fundações empresariais nas políticas públicas de educação. Nos últimos anos, Fernando Cássio se tornou uma das vozes mais contundentes da área. Especialista em políticas educacionais, o professor da UFABC é também o organizador de Educação contra a Barbárie (ed. Boitempo), coletânea de artigos em defesa de escolas democráticas e da liberdade de ensinar.

Para Cássio, a barbárie na educação tem uma dupla dimensão: a gerencial, representada pelos interesses empresariais que "esfacelam o sistema público de ensino", e a reacionária, com a degradação do ambiente escolar pela "violência como currículo e o ódio como pedagogia". O especialista defende que a chegada de Jair Bolsonaro ao poder representa uma soma dos tipos de barbárie, e que aqueles que deveriam se opor ao que classifica de "tragédia educacional" — da esquerda à direita liberal — encontram-se numa espécie de negação da realidade. "Muitos pensam que o governo está paralisado, mas isso é parte do projeto de destruição". A seguir, os principais trechos da entrevista concedida ao blog:

Na educação, como você avalia a oposição à administração Bolsonaro?

Fernando Cássio Penso que tanto a esquerda quanto os liberais ditos esclarecidos estão equivocados. Acho que estão em negação. A diferença é que cada lado vive essa negação de maneira distinta.

De que forma a esquerda está equivocada?

Boa parte da esquerda não entendeu o que está acontecendo em termos do ataque à educação brasileira. Pensam que o palavrório de Bolsonaro e do ministro [Abraham] Weintraub e companhia são cortina de fumaça, de que se trata de um governo disfuncional e sem projeto. Há um tanto de cálculo eleitoral aí: o PT acha, novamente, que vai ser mais fácil vencer Bolsonaro do que a centro-direita nas eleições. Só que não é verdade que o MEC não esteja executando políticas. Está executando, e nós temos que entender que há uma agenda sendo levada adiante.

Que agenda é essa?

Há uma clara tentativa de promover uma educação de massas movida por autoritarismo, conspiracionismo, pseudociência, teorias racistas e revisionismo histórico. Há intenso aparelhamento do MEC e de suas autarquias. Essa é uma agenda destrutiva, nefasta para a educação. Neguem o quanto quiserem, mas eles estão levando a cabo um projeto educacional para o país quando não executam o orçamento do MEC, quando não subsidiam os programas de ampliação da jornada escolar do governo anterior, quando aparentemente não implementam a Política Nacional de Alfabetização. Como resposta aos queixumes dos que afirmaram que o MEC está paralisado, Jair Bolsonaro divulgou o vídeo do novo programa de "literacia familiar" que faz parte da Política Nacional de Alfabetização. Afirmou que agora estão ensinando o correto, que antes os livros "ofendiam as famílias e atentavam contra a inocência das criancinhas". Essas palavras são do Presidente da República. Quem poderá dizer que o governo Bolsonaro não está executando políticas para a alfabetização? Uma parte da opinião pública, da esquerda à direita liberal, vai dizer que isso é distração. Eu acho que não: as políticas são exatamente essas, e precisamos nos aperceber da tragédia para lutar contra ela. O projeto de poder do bolsonarismo não termina em 2022.

Há articulação entre essa agenda autoritária e a perspectiva da administração Bolsonaro sobre a economia?

Sim. O ultraliberalismo econômico é quem mais contribui para a precarização da educação pública no país, para a produção do declarado "vazio" das políticas educacionais. A gente quer que os mais pobres tenham uma escola pobre? Muito bem: alguém vai querer colonizar essa escola pobre. O "projeto" educacional do bolsonarismo se expande na ocupação dos espaços vazios deixados pela precarização dos sistemas públicos de ensino.

Parte da direita moderada e do centro não concorda com esse tipo de política.

Mas eles também estão em negação porque continuam focalizados em suas agendas: currículo centralizado, avaliação, gestão, indicadores. Só que as demandas liberais para a educação são facilmente capturadas pelo autoritarismo. O resumo dessa cegueira é a afirmação da Tabata Amaral [deputada federal pelo PDT-SP] de que a ideologia do MEC importa menos do que a gestão. Como assim o problema não é a ideologia? O problema é a ideologia. Fechar os olhos para o aspecto ideológico e exigir do Ministério a execução de políticas liberais é completamente impróprio: os bolsonaristas há muito já instrumentalizaram as pautas da direita liberal para suas agendas de desconstrução de valores democráticos.

Como os liberais estão sendo instrumentalizados pelos bolsonaristas?

Vou dar um exemplo: o que está se usando para defender escola cívico-militar? O Ideb [Índice de Desenvolvimento da Educação Básica, indicador da qualidade no ensino fundamental e médio]. O que está se usando para atacar professor? O Pisa [Programa Internacional de Avaliação de Alunos, que compara a educação em 79 países]. Isso mostra a fragilidade da visão de educação e dos instrumentos defendidos pelos liberais. São facilmente capturáveis, pervertidos em um modelo autoritário de escola e de país. Controle, accountability, avaliação, gestão para resultados: tudo isso é facilmente posto a serviço de um projeto autoritário de sociedade.

As chamadas reformas educacionais também estão capturadas?

Elas são parte do problema. A defesa da reforma do Ensino Médio, do estreitamento curricular, da ênfase na Matemática e na Língua Portuguesa, tudo isso contribui para formar legiões de pessoas despreparadas. Pessoas que vão ter cada vez mais dificuldade para decidir se o que o Olavo de Carvalho está falando tem algum lastro científico ou se todas as narrativas sobre determinado assunto, como a esfericidade da Terra, são equivalentes.

Mas é possível observar algumas reações dos liberais.

Muito recentemente, os porta-vozes dos institutos e fundações empresariais começaram a perceber que o Ministro da Educação é uma pessoa desqualificada para ocupar o cargo. Não é só uma desqualificação técnica, mas ética, acadêmica, intelectual e política para dirigir uma pasta que tem a ver com a garantia de um direito social e coletivo baseado numa pluralidade de concepções, de liberdade de ensinar e de aprender.

O que precisaria ser feito?

É preciso combater duramente as políticas que esse governo está executando. Enquanto não financiarmos a Educação adequadamente, preenchendo os espaços com políticas que fortaleçam as redes públicas, a gente vai perder para esses projetos de barbárie educacional. Por que só educar algumas elites para ter acesso a Ciências, História, Geografia, Filosofia e Arte? E por que só 4% dos alunos podem estudar em escolas de tempo integral nas capitais? A maioria esmagadora continua estudando em escolas precárias. Definitivamente, temos de parar de achar estreitar o currículo e economizar investimento público vão nos levar para algum caminho auspicioso no país. Isso vai nos levar à ruína. Também é preciso se conectar com as demandas do povo. Hoje, quem faz trabalho de base e acolhe afetivamente as classes populares são as igrejas evangélicas. Não é à toa que nesses primeiros dias de 2020, o mesmo PT que acha que Bolsonaro é mais fácil de ser batido na eleição avalia que a esquerda deveria dar mais atenção ao povo evangélico. Nisso, pelo menos, estão acertando.

Você vê alguma razão para otimismo?

Sim. Enquanto uns insistem que o MEC de Bolsonaro está paralisado e que as redes estaduais e municipais de ensino sabem se proteger dos absurdos de Brasília, quem realmente depende da escola pública deixou de viver em negação há muito tempo. De fato, há muita coisa acontecendo nas escolas. Coletivos negros, feministas e LGBTs e estudantes organizados demandam conhecimento e fruição estética. Hoje, as demandas são múltiplas e enormes, e as pessoas não vão aceitar uma educação rebaixada apenas porque o Estado e alguns assessores educacionais do empresariado decidiram que o direito coletivo e universal à educação não é tão coletivo e nem tão universal assim. A rejeição às chamadas reformas educacionais mostra isso claramente. Mesmo precarizada, a escola pública não é um espaço vazio — tanto que vem resistindo a décadas de esvaziamento pedagógico e de barbarização gerencial. O direito de acessar escolas públicas gratuitas não foi um presente do Estado ou das elites. Foi conquistado por décadas de lutas populares, inclusive durante a ditadura militar. Uma pesquisa recente do Datafolha mostrou que a maioria da população apoia uma educação gratuita e universal da creche à universidade. É também nas escolas públicas que está a maior fileira de resistência ao governo Bolsonaro, o que explica a sua particular agressividade com estudantes e professores. Eles têm medo. Sabem que nunca foi fácil passar o trator por cima da escola pública.

Sobre o Autor

Jornalista e professor universitário na Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo. É também autor do blog Em Desconstrução (emdesconstrucao.blogosfera.uol.com.br), de Universa, coordenador do blog coletivo Entendendo Bolsonaro (entendendobolsonaro.blogosfera.uol.com.br), e fundador e gestor do curso online contra fake news Vaza, Falsiane (www.vazafalsiane.com)

Sobre o Blog

Um espaço com visões, provocações e esperanças sobre a mais nobre das atividades humanas: educar.

Rodrigo Ratier